compartilhe>

Texto explica nosso potencial de luta, trata de aspectos psicológicos que levam alguns a "jogar contra" e a atitude adequada neste momento histórico. O SIFUSPESP está preparado para lutar com sua categoria e nossa luta já está encontrando apoios importantes



O discurso de categoria desunida não vale mais. Em tempos em que se fala em privatizar todos os presídios do Estado de São Paulo sob o argumento que o ano de 2016, o Brasil passou por uma conturbação política e início de grandes reformas promovidas pelo Governo Temer. O Brasil reagiu contra, sobretudo contra a chamada Reforma Previdenciária, ou Projeto de Emenda Constitucional (PEC) 287/16. Esse momento histórico foi marcado pela ação de heróis nacionais que com bravura, diante da comoção nacional, tomaram, em maio de 2017, o Ministério da Justiça em Brasília e o Congresso Nacional, já completamente desmoralizado pela população naquele momento. Eram homens e mulheres, trabalhadores do sistema penitenciário. "O pessoal da SAP", como nos denominou João Dória, de forma amistosa, no período eleitoral se fez presente com outros companheiros de todo o Brasil e a FENASPEN.

 

Este fato foi ressaltado pelo atual deputado federal Major Olímpio(PSL), eleito senador da República - uma das autoridades presentes - foi que trouxe à memória a demonstração de força da união dos funcionários prisionais que aconteceu no Planalto em 2017. A família da segurança pública abraçou e apoiou com força nossa categoria naquele momento, sobretudo em relação a questão da aprovação da Polícia Penal, o que levou a aprovação deste projeto de Emenda Constitucional na Câmara dos Deputados, por unanimidade (projeto que não foi votado no Senado pela decretação da intervenção federal no Rio de Janeiro)

 

No evento AGENTE EM ALTA, realizado no ano passado, Major Olímpio recordou que a força que mudou o curso da história, pode continuar mudando por meio da união: “Foi uma mobilização intensa, uma grande pressão e os agente ocuparam o Ministério da Justiça, eu participei, fiz parte disso. Daqui 50 anos tudo isso vai ser história de luta da consolidação da categoria. Naquele momento foi muito gás, muita bomba, muita choradeira espontânea ou por gás. Mas estivemos juntos e vamos continuar juntos”.

Veja mais em:

<https://www.sifuspesp.org.br/noticias/6055-agente-em-alta-relembra-invasao-do-ministerio-da-justica-por-agentes-penitenciarios>



Reação de sobrevivência é lutar e encontrar apoio

 

Paralisia é uma resposta emocional do medo. Falando de uma herança primitiva, caso a presa paralise pode ser que o caçador não a veja em meio a selva.

Falando da situação político econômica brasileira que acompanha mudanças drásticas e repentinas, não discutidas previamente, apenas empurrada com argumentos frágeis, amedronta.

Afinal, queremos garantir nossa sobrevivência! Toda mudança é uma ameaça e causa medo. Quando o quadro configura-se com dúvidas e com certezas veladas, aos poucos revelada, o medo é maior. A ansiedade também. Pode ser que esta seja uma das razões da paralisia da sociedade perante tantas perdas de direitos ou mesmo não conseguindo avistar o futuro esperado. O futuro fica reduzido ao voto na urna, e na palavra de representantes, que às vezes traem.

Entretanto, o corpo humano também reage de maneiras diferentes para a autopreservação. O cérebro responde de maneira a provocar aumento na frequência cardíaca, na respiração, diminuindo o sangue nos intestinos e enviando para os músculos: então ou corremos ou lutamos. A covardia, desculpas para fugir do problema e a coragem tem origem comum.

 

Que a raiz do medo e da ansiedade perante graves ameaças ao sistema prisional libere adrenalina, noradrenalina e demais hormônios em grande quantidade ou apenas a suficiente para o estado de alerta e a movimentação. E a prontidão para lutar.

 

Sabemos o que esse mecanismo rege dia a dia dos trabalhadores nas unidades prisionais. Os servidores do sistema prisional já trabalham sob tensão tamanha, capaz de fazer permanecer esse estado de alerta e proteção. De quem são os corpos na linha de frente nos raios e corredores das penitenciárias, correndo risco de vida iminente?

 

Este estado de reação do corpo, quando constante, faz adoecer. Mas quando liberado e transformado em energia, em movimento, pode ser a resposta da coragem necessária para a sobrevivência. Quem sabe não serão estes trabalhadores sobreviventes os que estarão na linha de frente da luta contra as ameaças já servidas à mesa do novo governo? Que a mesma força de embate diário seja a resistência e a mudança. REAÇÃO! É correr ou lutar por si, pela categoria, pelo seu trabalho e pela sociedade.  

 

O SIFUSPESP está preparado para defender sua categoria, mas precisa de seu apoio para ter força maior diante de um desafio como este. Temos nos preparado desde um pouco mais de um ano, mesmo com o sindicato quebrado pela gestão anterior, a enfrentar nossos desafios de forma estratégica, com muita pesquisa, com muito diálogo com nossa categoria e com muita coragem e luta.

 

Nossos argumentos já têm encontrado compreensão em grande parte da categoria e de representantes políticos importantes que conhecem Segurança Pública e tem sensibilidade quanto ao Sistema Penitenciário.  Recentemente por meio de vídeo publicado nas redes sociais demonstraram apoio a nossa causa, criticaram a postura do governador em atacar o serviço público e seu interesse inflexível em tratar a coisa pública como objeto de negociação com o setor empresarial.

Major Olímpio - veja recente declaração em:

<https://www.facebook.com/olimpio.major/videos/311251192839461/?t=3>

Deputado estadual eleito Sargento Nery - veja o vídeo a seguir em que convoca todos ao ato de nossa categoria no SIFUSPESP:

<https://www.facebook.com/SargentoNeriOficial/videos/923999701122318/>

 

A deputada estadual eleita Adriana Borgo também convidou a categoria e a sociedade para comparecer e defender seus empregos:

<https://www.facebook.com/blogdofabiojaba/videos/798356223839367/>

 

Deputado Estadual eleito Major Mecca declarou apoio a nossa categoria:

<https://www.facebook.com/majormeccaoficial/videos/638598253221417/>

 

Portanto, participe da Assembleia Publica de nossa categoria, não podemos esperar paralisados ou permitir que nos dividam nas redes sociais.


O sindicato somos todos nós, unidos e organizados! Participe da Assembleia Geral, dia 23 de janeiro, na Dr. Zuquim, 244, Santana, São Paulo.