compartilhe>

Um dos problemas que se tem comentado em nossa categoria é que uma parte dela estaria protegida contra a privatização do sistema. O que as pessoas não entendem é que a privatização quando começa em um sistema, mesmo que avance em uma parte, abre brecha para sucatear o serviço e depois privatizar o resto. Foi assim em todo o serviço público no mundo, desde quando isso começou na Inglaterra de Margaret Thatcher, figura aliás que hoje é odiada naquelas terras.

 

Uma das táticas atuais do governo é de nos dividir. Fez isso por anos, e até os sindicatos seguiram esta regra.

Isso ocorreu nos governos anteriores e levou a divisão de nossa categoria, incentivando rivalidades e colocando sindicatos um contra o outro. Uns diziam-se só para ASPs, outros AEVPs. Parte da categoria não se identificava com nenhum sindicato e não contava com eles para qualquer problema. Outra parte fazia campanha diária para desfiliações em massa, o que tendencialmente levaria ao fim da existência do sindicato e que, nesse momento de luta representaria um desastre. Nesse período o sindicato era visto como um departamento jurídico para ações milagrosas que amarram a categoria a expectativas fora da realidade do seu dia a dia.

 

Efeitos do sindicalismo antes do SIFUSPESP Lutar para Mudar

 

Antes os sindicatos usavam de artifícios, ações milagrosas, serviços eventuais. Ou simplesmente quebravam. O SIFUSPESP, em relação a diretorias anteriores, foi sucateado. Encontra-se sendo gestionado  em plena recuperação, mas só tem conseguido defender sua categoria graças a planejamento e um esforço fora do comum por parte de sua atual diretoria.

 

Mesmo assim sabemos que com planejamento, articulação política, objetivos claros e relação direta e de igual para igual com a base, sem esconder nada, pudemos avançar muito. Interferir em problemas em cada unidade sem criar problemas, etc.

 

Hoje, o sindicato com maior dificuldade da categoria é o que mais faz. E estamos vendo nossa categoria unindo-se graças a um trabalho que temos desenvolvido a pouco mais de um ano.

 

Parte desse trabalho é antecipar as tendências de problemas que podem ocorrer... O mais recente problema que temos advertido há quase um ano e nos planejamos para enfrentá-lo foi o da privatização.

Veja mais em: http://www.sifuspesp.org.br/dossie-privatizacoes

Veja também: https://www.sifuspesp.org.br/images/documentos/outros/Manifesto_Sifuspesp.pdf

 

Este problema e a forma de enfrentá-lo já não deve ser feita como o sindicalismo antigo. Porque isso resultará inútil. Para enfrentá-lo devemos atuar com inteligência tática, estratégia comunicacional, relações dentro e fora da base consolidadas na confiança. Seriedade e coragem para fazer o que deve ser feito.

 

Contexto para unificar os sindicatos

Nesse momento falar em ações conjuntas não implica que todos os sindicatos tenham o mesmo nível de organização e capacidade de combate. Podem até copiar textos, elementos de comunicação, comportamentos de nossos representantes, mas é como tentar parecer o que não é verdadeiramente. Nossa categoria já sabe disso.

 

Por isso, nesta sexta-feira, fizemos um convite ousado. Convidamos os três sindicatos para se fazerem presentes em uma reunião, sendo o convite aos cuidados de seus presidentes: Antônio Pereira Ramos, Valdir Branquinho, Gilson Pimentel Barreto. O objetivo não é que participem de uma negociação mais difícil que os outros encontros sindicais frente ao atual secretário da SAP. O SIFUSPESP foi o único sindicato que por estar apresentando problemas e soluções reais não foi espontaneamente convidado a debater com o secretário. É que não somos do velho sindicalismo. E um encontro imediato poderia arriscar a condução da gestão que é a de impor a privatização das unidades prisionais.

 

Nosso objetivo é demonstrar boa vontade no sentido de que os outros sindicatos podem participar de uma luta mais dinâmica politicamente. Mas, e somente só, se quiserem seguir um caminho de luta conosco em um SINDICATO ÚNICO. E isso é sim uma exigência de nossa parte, vamos tentar o nosso máximo para termos maior força de articulação, recursos econômicos, mas com um norte claro de ação. Do contrário já temos um caminho a trilhar independente. Mas não vamos deixar de tentar. Pedimos apoio da categoria para pressionar pela unificação.

 

Como fazer a unificação?

O SIFUSPESP convidou representantes dos três sindicatos para fazerem parte de um encontro com o propósito de marcarmos uma assembléia de unificação dentro de um mês com todos os sindicatos. Se estes sindicatos aceitaram, a categoria terá sua voz respeitada como foi na Assembléia histórica do dia 23 que a categoria votou sua pauta de negociação de forma direta. Essa unificação seria feito baseada em princípios e na escolha de sua base, com a possibilidade de unificarmos realmente a todos de nossa base.

 

Se formos capaz de fazer isso, teríamos um sindicato com quase metade da categoria filiada, e um dos maiores sindicato de penitenciários do mundo. Isso nos daria possibilidades de promover serviços e luta articulada profunda para lutar por Lei Orgânica, Polícia Penal, cooperativa de crédito entre outros mecanismos de proteção para os novos tempos (fundos de financiamento imobiliário e previdenciário complementar). Sabemos fazer, a categoria quer, e por isso lutamos por isso. Não estamos pensando em nossa preservação, mas de nossa categoria.

 

Realidade nua e crua

O Brasil está ficando mais violento nas ruas, e as pessoas estão reduzindo seu poder aquisitivo e algumas perdendo seus direitos ou empregos. E isso faz algum tempo.

 

Como não param, vão tentar equilibrar em categorias com direitos (já que tiraram de pessoas sem emprego). O que fazer: defender nossos direitos e empregos (vai que apertam mais) e o futuro de nossa família. Nós do SIFUSPESP Lutar para Mudar estamos pensando em tudo isso. E pensamos que a forma mais rápida de reagir a isso, contra a privatização e de ataques por todos os lados: CATEGORIA UNIDA, SINDICATO ÚNICO. SIFUSPESP e categoria querem isso!